Preso, médico acusado de abuso sexual diz que filmou vítimas por 30 anos no Ceará

Spread the love

O médico José Hilson de Paiva, prefeito afastado de Uruburetama, está preso há três dias acusado de abusar sexualmente de pacientes durante consultas ginecológicas no Ceará. No interrogatório, o médico confessou à polícia que fez as filmagens durante 30 anos, mas disse que “parou há dois anos”. “Ele diz que isso virou um vício”, afirmou Joseanna Oliveira, delegada que investiga o caso.

Fantástico mostrou dezenas de abusos cometidos dentro do consultório e gravado pelo próprio acusado. Hilson Paiva foi preso preventivamente na tarde de sexta-feira (19), após pedido do Ministério Público do Ceará (MPCE). A prisão foi determinada pelo juiz José Cléber Moura do Nascimento, que considerou a medida necessária para preservar as provas e evitar a influência do prefeito nas investigações.

Em uma rápida declaração, o médico tentou se defender das acusações. “É um momento de… não sei nem explicar. Parte delas, a maior parte, era consentidas. Se não fosse, eu não ia chegar aqui e mentir para a imprensa”, disse.

O advogado do médico, Leandro Vasques, entrou com um pedido de prisão domiciliar na Justiça. Segundo a defesa, José Hilson de Paiva tem 70 anos e sofre de doenças cardíacas e na próstata. Para Vasques, o prazo para que as vítimas apresentassem a queixa contra o médico já se esgotou.

“Nós não estamos defendendo essa prática criminosa. Nós apenas estamos sustentando que ela prevê que, para que possa ser apurado, o fato tem que ter um intervalo de 6 meses no máximo para se inaugurar a investigação. E isso já se superou, já se operou a decadência, portanto o direito de se apurar isso evaporou-se. Estrangulou-se no tempo”, afirmou o advogado.

A Justiça do Ceará, porém, negou o pedido da defesa e manteve a prisão preventiva do médico. No sábado, ele passou por uma audiência de custódia na Comarca de Itarema, município no interior do Ceará.


G1